Cadeira 41: Silmara Feitosa

 

 

 

Silmara Cristina Feitosa é Poetisa, Professora, Pedagoga, Psicopedagoga e Palestrante. Tornou-se o ícone da Inclusão através das suas incansáveis lutas pelo exercício do direito da Pessoa com deficiência.

Nasceu em 28/07/65 na cidade de Araponga PR. Filha de Manoel Elói Feitosa, e ( Djanra Amélia Feitosa In memoriam), é a sétima de 12 irmãos. cresceu na área rural de Saloá PE.

FORMAÇÃO

Silmara Feitosa Iniciou a vida estudantil na Escola Mínima Serrinha, É apaixonada por poesias, e desde a infância escreve poemas de amor. Aos 10 anos de idade já lia à luz da lua ou do candeeiro os grandes romances da época (Júlia, Bianca…).

Possui licenciatura plena em Pedagogia pela UPE. e pós-graduação em Psicopedagogia Institucional pela FIP, Psicopedagogia Clínica pelo ICE. e Educação Especial pela Faculdade EFICAZ. É viúva, mãe de Paulo, Cinthia, Amanda, ( José Flávio e Flávio In memoriam) e avó de Emanuely.

Iniciou a vida profissional aos 16 anos, lecionando na educação infantil. É Professora da Educação Especial, fundamental, superior e Psicopedagoga atuante. Participou da Antologia Poética Versos Amigos lll e IV da Editora SCORTECCI.
‘Somente os poetas são capazes de ouvir a voz dos ventos, e gritar em silencio’.

 

Patronesse

Cecília Meireles

 

Cecília Meireles (1901-1964) foi uma poetisa, professora, jornalista e pintora brasileira. Foi a primeira voz feminina de grande expressão na literatura brasileira, com mais de 50 obras publicadas. Com 18 anos estreia na literatura com o livro “Espectros”.

Participou do grupo literário da Revista Festa, grupo católico, conservador. Dessa vinculação herdou a tendência espiritualista que percorre seus trabalhos com frequência. Embora mais conhecida como poetisa, deixou contribuições no domínio do conto, da crônica, da literatura infantil e do folclore.

Cecília Benevides de Carvalho Meireles (1901-1964) nasceu no Rio de Janeiro no dia 7 de novembro de 1901. Perdeu o pai poucos meses antes de seu nascimento e a mãe logo depois de completar 3 anos. Foi criada por sua avó materna, a portuguesa Jacinta Garcia Benevides.

Formação

Cecília Meireles fez o curso primário na Escola Estácio de Sá, onde recebeu das mãos de Olavo Bilac a medalha do ouro por ter feito o curso com louvor e distinção. Em 1917 formou-se professora na Escola Normal do Rio de janeiro. Estudou música e línguas. Passou a exercer o magistério em escolas oficiais do Rio de Janeiro.

Carreira literária

Em 1919, Cecília Meireles lançou seu primeiro livro de poemas, “Espectros” com 17 sonetos de temas históricos. Em 1922, por ocasião da Semana de Arte Moderna ela participou do grupo da revista Festa, ao lado de Tasso da Silveira, Andrade Muricy e outros, que defendia o universalismo e a preservação de certos valores tradicionais da poesia. Nesse mesmo ano, casa-se com o artista plástico português Fernando Correia Dias, com quem teve três filhas.

Cecília Meireles estudou literatura, folclore e teoria educacional. Colaborou na imprensa carioca escrevendo sobre folclore. Atuou como jornalista em 1930 e 1931 e publicou vários artigos sobre educação. Fundou em 1934 a primeira biblioteca infantil no Rio de Janeiro. O interesse de Cecília pela educação se transformou em livros didáticos e poemas infantis.

Ainda em 1934, a convite do governo português, Cecília viaja para Portugal, onde profere conferências divulgando a literatura e o folclore brasileiros. Em 1935 morre seu marido.

Professora

Entre 1936 e 1938, Cecília lecionou Literatura Luso-Brasileira na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1938, o livro de poemas “Viagem” recebe o Prêmio de Poesia, da Academia Brasileira de Letras. Em 1940 casa-se com o professor e engenheiro agrônomo Heitor Grilo.
Nesse mesmo ano, Cecília leciona Literatura e Cultura Brasileira na Universidade do Texas. Profere conferência sobre Literatura Brasileira em Lisboa e Coimbra. Publica em Lisboa o ensaio “Batuque, Samba e Macumba”, com ilustrações de sua autoria.

Em 1942 torna-se sócia honorária do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro. Realiza várias viagens aos Estados Unidos, Europa, Ásia e África, fazendo conferências sobre Literatura, Educação e Folclore.

Características da obra de Cecília Meireles

A rigor, Cecília Meireles nunca esteve filiada a nenhum movimento literário. Sua poesia, de modo geral, filia-se às tradições da lírica luso-brasileira. Apesar disso, suas publicações iniciais evidenciam certa inclinação pelo Simbolismo, reúnem religiosidade, desespero e individualismo. Há misticismo no campo da solidão, mas existe a consciência de seus dons e seu destino:

“Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
-Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estes HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>