• pp

    Marciano Medeiros – Santo Antônio-RN

    No jardim do destino um pai trabalha:
    planta exemplos no jarro da decência,
    nada exige de sua descendência;
    e a frieza dos mesmos não espalha.
    Ter respeito será grande medalha,
    cada filho nas curvas do caminho;
    beije em vida o cabelo bem branquinho
    do seu velho e querido genitor,
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • Francisco Gabriel

    Francisco Gabriel – Natal-RN

    Sofre um pai na batalha pela lida,
    na esperança de um dia colher flores.
    Procurando adoçar seus dissabores,
    pela força do amor, vence a subida.
    Tem no peito o sabor da despedida,
    qual canário distante do seu ninho.
    Suplantando as barreiras do caminho,
    volta tenso a procura de calor.
    “No semblante do pai trabalhador
    tem um riso sedento de carinho”.

    Mote: Marciano Medeiros

  • 33

    Charles Sant’Ana Pão de Açúcar-AL

    Sua face tão velha e já cansada,
    São as marcas do tempo que passou,
    Juventude esse tempo carregou,
    Cicatriz no seu rosto foi bordada,
    Toda ruga ficou ali marcada,
    Indo em busca do pão pelo caminho,
    Hoje vive carente e tão sozinho,
    Seu sorriso esboçado em triste dor,
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • 734dca7f-adbe-4c69-ba51-c4a69bfa43dd

    El Gorrión Itatuba-PB

    O meu pai foi um sábio conselheiro
    Que lutou sempre pra me proteger.
    Seu abraço mostrava bem-querer;
    Com cuidado de amigo e companheiro.
    Eu me lembro saudoso do seu cheiro…
    Seus conselhos, grafei num pergaminho.
    Para nunca esquecê-los no caminho
    Empunhei seus ensinos com valor.
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • Silvano

    Silvano Lyra – Olinda-PE

    Face oculta não diz tudo que sente
    Que o sentir vez por outra é ofuscado
    Mesmo quando vem sendo fustigado
    Coração se interliga com a mente
    Abrir mão deixa o pai tão reluzente
    Pra doar todo amor ao seu filhinho
    Rasga a face ao ouvir chamar painho…
    …”Eu te amo hoje ontem e aonde for”
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • Amauri

    Amauri Sales – Camalaú-PB

    Todo pai necessita de atenção
    Todo filho precisa ter cuidado
    Todo pai precisa ser respeitado
    Todo filho de ter bom coração
    Que o filho que tem dedicação
    Nunca deixa seu pai ficar sozinho
    Se o filho do pai segue o caminho
    No futuro será bom genitor
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • Otacílio Pires

    Otacílio Pires – Recife-PE

    Pai; Aquele que dedica seu afeto,
    Passando o dia inteiro na labuta
    E pra família ele dedica sua luta
    De amor; Verdadeiro e completo.
    Um pai é construtor e arquiteto,
    Um forte defensor do seu ninho
    Hábil na construção do caminho
    Que, do filho, ele é predecessor.
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • João Bosco

    João Bosco – Poção-PE

    Todo pai que trabalha trás na mente
    A família que em casa tá na espera,
    Batalhando na paz é quem supera
    O sertão com sol forte, vento quente,
    Ao chegar pai recebe bem contente,
    Um abraço dos filhos em seu ninho,
    Esse afago transforma todo espinho
    Em roseiras de pétalas de amor,
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • Adilson

    Adilson Costa – São Lourenço da Mata-PE

    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.
    Se algum dia o seu filho perguntar
    Onde estão os valores dessa vida,
    Diga apenas que estão pela ferida
    Que somente o amor pode fechar
    E se a chave do tempo destravar
    Todo estorvo das pedras do caminho
    Faça o sopro da brisa de mansinho
    Transportar pra família todo amor
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • IMG-20180510-WA0269

    Teresa Machado Apodi-RN

    Revirando a gaveta da lembrança
    A saudade apertou meu coração
    Minha vida feliz lá no Sertão
    O meu pai transmitindo confiança
    Repassada na forma de esperança
    Nosso pai foi pro céu, voou do ninho
    Mas deixou como exemplo seu caminho
    Semelhança de Deus Pai Criador
    No semblante do pai trabalhador
    Tem um riso sedento de carinho.

    Mote: Marciano Medeiros

  • O Clube da Poesia Nordestina parabeniza o POETA DO MÊS de Agosto: Marciano Medeiros

    Marciano

     

     

     

    Na quarta homenagem do Clube da Poesia Nordestina aos nossos poetas neste ano, MARCIANO MEDEIROS foi escolhido como POETA DO MÊS. 16 poetas enviaram as notas de 5,00 a 10,0 pontos.

    A classificação ocorreu da seguinte maneira:

    Os poetas votam nas cinco melhores glosas e enviam as notas, de 5 a 10, para o e-mail do Clube da Poesia Nordestina: clubedapoesianordestina@hotmail.com, daí as notas de todos os poetas foram somadas.

    Confira abaixo o ranking dos 10 melhores poetas do mês de agosto.

    1º Marciano Medeiros = 76,8 votos
    2º Charles Sant’Ana = 66,85 votos
    3º Edmilton Torres = 63,85 votos
    4º Charles Brunno = 62,42 votos
    5º Teresa Machado = 47,3 votos
    6º Adilson Costa = 44,8 votos
    7º Iranildo Marques = 37,6 votos
    8º Luiz Esperantivo = 37,3 votos
    9º Armando Medeiros = 37,1 votos
    10º Maria Farias = 36,8 votos

  • O Clube da Poesia Nordestina parabeniza O POETA DO MÊS de JULHO com mais curtidas no Facebook: Rena Bezerra

    Esse

     

     

     

    Na terceira homenagem do Clube da Poesia Nordestina aos nossos poetas neste ano, RENA BEZERRA, mais uma vez foi o vencedor nas redes sociais com mais curtidas no Facebook.

    Confira abaixo o ranking dos 10 melhores poetas com mais curtidas no Facebook.

    1º Rena Bezerra = 226 curtidas
    2º Maria Farias = 80 curtidas
    3º João Nunes = 40 curtidas
    4º Aurineide Alencar = 23 curtidas
    5º El Gorrión = 13 curtidas
    6º Otacílio Pires = 13 curtidas
    7° Teresa Machado = 08 curtidas
    8º Charles Brunno = 05 curtidas
    9º Charles Sant’Ana = 04 curtidas
    10° Amauri Sales = 01 curtida

  • PRA GLOSA DE JOÃO NUNES

    João Nunes – Sítio Serrote Preto-PB

    Eu tentei segurar minhas lembranças
    Como fosse um acervo de riquezas
    De uma vida repleta de proezas
    Acabei por perder as esperanças
    Na poeira e percalços das andanças
    Minha mente é aos poucos apagada
    A memória acabou foi naufragada
    Nesse mar que o destino preparou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Maria Farias

    Maria Farias – Santa Terezinha-PE

    Eu voltei pra rever o meu passado,
    Recordei bons momentos que vivi;
    Nesta tela do tempo revivi
    Cada peça que trouxe o meu legado:
    Nela vejo meu tio, é engraçado,
    Pois fazia pra nós só palhaçada,
    Me ensinou estudar a tabuada
    E romances pra mim apresentou.
    ‘A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada’.

    Mote: Silvano Lyra

  • Aurineide Alencar

    Aurineide Alencar Dourados-MS

    Plantei sonhos na terra da ilusão,
    Cultivei esperança de viver
    Quando pude encontrar meu bem querer
    Lhe entregando meu pobre coração,
    Fui feliz até vir desilusão
    E você me deixar abandonada,
    Eu chorei por estar apaixonada
    Que a tristeza em meu peito se instalou,
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • unnamed

    Armando Medeiros Princesa Isabel-PB

    Tu que vives tristonho, acabrunhado
    A saudade causando contratempo
    Peraí, meu irmão, dê tempo ao tempo
    Que com o tempo verás o resultado,
    Eu confesso que quase fui tragado
    Pelo remanso da saudade exagerada,
    Mas saudade é datada e setorizada
    Se venceu a validade, ela inspirou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • 12895442_1091675207543047_947933259_n

    Edmilton Torres – Pesqueira-PE

    Cada canto da casa que eu olhava
    Via algo a lembrar sua partida
    Pois mostrava a história de uma vida
    Reabrindo uma chaga que sangrava
    Ao perder um alguém que tanto amava
    Minha vida ficou despedaçada
    Minha fé no Meu Deus foi abalada
    Mesmo assim ele não me abandonou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • pp

    Luiz Gonzaga Limoeiro do Norte-CE

    Num momento saudoso do passado
    Me tornei a mais frágil criatura,
    Fiz do peito um refúgio de amargura
    Pra guardar meu desejo acalentado.
    A mulher por quem fui apaixonado
    Não quiz ser minha eterna namorada,
    Posso agora dizer de alma lavada
    A vontade que eu tinha já passou,
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • pp

    Iranildo Marques – Serra Talhada-PE

    Não me venha pedir o meu perdão
    O amor que’ra seu, se foi, partiu
    Num estalo de sonho ele sumiu
    Quando viu tu ferir meu coração
    Como um sonho, buscaste uma ilusão
    Eu fiquei te esperando na estrada
    Mas o tempo passou sem dizer nada
    Apagando da mente o que restou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • IMG-20180510-WA0269

    Teresa Machado Apodi-RN

    Como flor machucada no Jardim
    Esmagado já vi meu sentimento
    O que trouxe só dor e sofrimento
    Um espinho que a vida pôs em mim
    Resolvi decretar logo o seu fim
    Da paixão que senti não restou nada
    Foi com tiro certeiro eliminada
    A lembrança o presente aniquilou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Otacílio Pires

    Otacílio Pires – Recife-PE

    Ampulheta de Kronos, Implacável,
    Determina todo tempo do viver
    E esse tempo impossível recorrer
    Deixando-nos cada vez mais vulnerável.
    A tristeza torna-se inevitável
    Quando se perde a pessoa amada
    Mas, com o tempo, a dor é abrandada
    A cicatriz o amor reverberou.
    “A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.”

    Mote: Silvano Lyra

  • Jerson Brito

    Jerson Brito – Porto Velho-RO

    Precisei me ferir nessa ilusão,
    Mergulhar de cabeça em agonias,
    Permitir as lembranças nos meus dias
    Torturando demais o coração.
    Finalmente enxerguei, na solidão,
    Uma escolha mal feita, equivocada.
    Hoje sou criatura libertada
    Pela dura verdade que restou.
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Bandeira

    Bandeira Júnior – Fortaleza-CE

    Foi o tempo,pra mim,melhor parceiro,
    Ansioso,os segundos eu contava,
    Triturou a saudade que estava
    triturando meu peito por inteiro.
    Eu que fui pacientemente ordeiro,
    Aguardei o momento da chegada,
    A distância era tudo mas do nada
    Numa noite de amor se transformou…
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • f33b6790-8f6e-47e0-96f6-43f815d0dfff

    Rena Bezerra – São José de Princesa-PB

    Desde quando ela foi daqui embora
    A saudade no engenho começou
    A moer o restinho que ficou
    Dum passado que vem a toda hora.
    Eu fiquei lamentando, mas agora
    Vou fazer da lembrança uma queimada
    Cachear com amor outra fornada
    E dizer bem feliz pra quem passou,
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • 1ce56001-e6b4-4f4c-9471-e02e75edd395

    Massilon Silva Aracaju-SE

    O pretérito estive revirando
    No baú das histórias tão contadas
    Descobri que são horas já passadas
    Que o relógio do tempo foi marcando
    Na verdade o presente foi deixando
    A lembrança entre escombros soterrada
    E na estrada do tempo empoeirada
    Foi ficando pra trás nada sobrou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Silvano

    Silvano Lyra – Olinda-PE

    Nosso amor lembra mais um velho engenho
    Corroído sem ter manutenção
    Engrenagem que mói sem coração
    Esbagaça esperança quando eu tenho
    Resta um pouco do mel que hoje desdenho
    Sem valor, serventia é quase nada!
    Pena ou dó virou pó nessa empreitada
    Pois cremei a fuligem que sobrou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Melchior Machado

    Melchior Sezefredo Machado – João Pessoa-PB

    Nosso amor teve um tempo de bonança,
    E ao deixá-la me enchia de saudade…
    Como tudo que traz felicidade
    É motivo pra alma de festança,
    Eu guardava os seus beijos na lembrança.
    Mas depois nossa sorte foi quebrada
    E ao você me trocar por quase nada
    Cada arquivo o meu peito deletou…
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Charles

    Charles Brunno Pão de Açúcar-AL

    A partida em corrente me prendeu,
    Fez prisão do meu peito uma saudade,
    Coração perdeu toda liberdade,
    Pois o dela levou chave do meu,
    Mas o tempo passou e devolveu,
    Outra chave pra abrir porta fechada,
    Me trazendo uma nova namorada,
    A prisão o passado espatifou,
    “A moenda do tempo triturou,
    A saudade que estava impregnada”.

    Mote: Silvano Lyra

  • 33

    Charles Sant’Ana Pão de Açúcar-AL

    O cupido flechou-me com fervura,
    Seu amor me deixou alucinado,
    Não durou pra deixar-me abandonado,
    Abandono gerou maior loucura,
    Como um louco eu segui outra aventura,
    Me dei bem a paixão foi deletada,
    Sentimento de dor não dói mais nada,
    O remédio do tempo me curou,
    “A moenda do tempo triturou,
    A saudade que estava impregnada.”

    Mote: Silvano Lyra

  • 734dca7f-adbe-4c69-ba51-c4a69bfa43dd

    El Gorrión Itatuba-PB

    A saudade moldou meu pensamento
    E eu paguei alto preço amargurado
    Vi meu peito sofrer dilacerado
    E meu rosto verter triste lamento
    Pois a falta do amor trás sofrimento
    E esta dor que massacra é tão malvada
    Escolheu o coração pra ser colada
    Foi o tempo responsável quem colou
    A moeda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Francisco Gabriel

    Francisco Gabriel Natal-RN

    Entre as mágoas, refiz os meus caminhos,
    refleti sobre as dores dos meus sonhos,
    meditei nos momentos mais tristonhos,
    recompus minha vida entre os espinhos.
    Procurei o aconchego doutros ninhos…
    despertei duma eterna madrugada.
    Noutros braços busquei por nova estrada,
    novamente outro sol me deslumbrou.
    “A moenda do tempo triturou
    a saudade que estava impregnada”.

    Mote: Silvano Lyra

  • pp

    Marciano Medeiros – Santo Antônio-RN

    Nas lembranças do tempo de menino
    vejo as rosas sutis das primaveras:
    meu casebre um reduto de quimeras,
    construído num sítio pequenino.
    Larguei tudo e busquei novo destino,
    sofri muito ao voltar nessa morada,
    quando olhei minha casa abandonada,
    vi um filme mental que me marcou;
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Edilene Soares Cordelista

    Edilene Soares Cordelista – Garanhuns-PE

    Por querer à minha alma sequestrar,
    Invadiu e tomou conta de mim,
    Eu procuro com jeito ver seu fim,
    Essa banda eu não sei como orquestrar,
    Faz de tudo querendo me afinar,
    Desafino ao tocar sem sentir nada,
    Esse som no meu peito faz zoada,
    A lembrança do passado carregou,
    “A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.”

    Mote: Silvano Lyra

  • Francisco

    Francisco Maia – Caicó-RN

    Só o tempo talvez possa rever
    As saudades cruéis que me devoram
    As lembranças infindas, que em mim moram
    E os dilemas que eu tento resolver
    Vou pedir para o tempo devolver
    Uma a uma, lembrança sequestrada
    Pois a vida sem ser autorizada
    Todas minhas lembranças confiscou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

  • Amauri

    Amauri Sales – Camalaú-PB

    Com saudade eu vivia lamentando
    Só depois com coragem e paciência
    Fiz de tudo uma resiliência
    E fui assim da saudade me livrando
    Hoje em dia no peito estou guardando
    Com aspecto de peça reciclada
    A saudade em lembrança transformada
    Que o engenho dos anos transformou
    A moenda do tempo triturou
    A saudade que estava impregnada.

    Mote: Silvano Lyra

Prefeituras parceiras

bannerjd
Rua Enock Ignácio de Oliveira, nº 1405 Bairro Nossa.Senhora da Penha - Cidade: Serra Talhada
CEP: 56.912-460
- Telefone: (87) 3831.2364 - WhatsApp: (87) 99956.4137
Copyright ©  2015 www.jornaldesafio.com.br, Todos os direitos reservados.
JORNAL DESAFIO - O SERTÃO EM 1º LUGAR
Serra Talhada, Pernambuco - Brasil.